quinta-feira, agosto 31, 2006

IRON MAIDEN



É impossível negar a importância da banda Iron Maiden na evolução do estilo Heavy Metal iniciado pelo Led Zeppelin, Deep Purple e Black Sabbath.
Em meados da década de 70 a Inglaterra vivia a explosão do movimento punk, caracterizado pelo "do it yourself". O rock pesado e complexo do Led Zeppelin havia sido trocado pelo punk rock, música de arranjos muito simples e descompromissados, geralmente tocada por músicos que sabiam pouco mais de três acordes. O heavy metal parecia destinado à estagnação ou ao fim.
Mas eis que surgem na Inglaterra algumas bandas que iam um pouco além do som punk, trazendo de volta o metal e acrescentando novas influências. Entre outras, Motörhead e Judas Priest mantinham a chama do heavy acesa.
Em 1971 Steve Harris montou a sua primeira banda, Influence, mais tarde renomeada de Gipsy Kiss. Em 1975, após ter passado por outras bandas como o Smiler, Harris se juntou ao guitarrista Dave Murray e fundou a banda Iron Maiden. O heavy metal nunca mais seria o mesmo...
Junto a bandas como Saxon, Def Leppard, Samsom, entre outras, o Iron Maiden liderou o movimento que se convencionou chamar de NWOBHM (New Wave of British Heavy Metal). Após dezenas de mudanças de formação em 1978 o Iron Maiden estava estabilizado com Steve Harris no Baixo, Dave Murray na guitarra, Paul Di'anno nos vocais e Doug Sampson na bateria. Esta formação gravaria o compacto Soundhouse Tapes, com as músicas Prowler, Invasion e Iron Maiden. O single vendeu mais de três mil copias e despertou o interesse da gravadora EMI sobre a banda que assinou contrato em 1979, participando de algumas coletâneas e lançando o single Running Free. Com o novo guitarrista Dennis Straton e Clive Burr na bateria, em 1980 a banda lança seu primeiro LP e começa a conquistar o mundo.
Uma das marcas registradas do Iron Maiden durante estes quase vinte anos de carreira têm sido as constantes mudanças de formação, que todavia nunca abalaram a sua atitude e estilo musical. O guitarrista Dennis Straton do primeiro LP foi logo substituído por Adrian Smith, mais tarde substituído por Janick Gers e o baterista Clive Burr foi substituído já no quarto LP por Nicko McBrain. Em 1982 o vocalista original Paul Di'anno abandonou a banda e foi substituído por Bruce Dickinson, que comandou o Iron Maiden durante sua melhor fase.
Uma das mudanças de formação mais inesperadas ocorreu em 1993, quando Bruce Dickinson abandonou a banda em troca da carreira solo. O novo vocalista se chamaria Blaze Bayley, vindo da banda de hard rock inglesa Wolfsbane, que já tinha aberto para o Iron Maiden na tour de No Prayer for the Dying em 1990.
Dois discos foram lançados com Blaze (The X-Factor e Virtual XI), entretanto a aceitação do público para com o novo vocalista não foi das melhores, o que resultou na volta de Bruce Dickinson para o Maiden depois de cerca de 7 anos, trazendo junto o velho guitarman Adrian Smith.
A formação hoje conta, além do baixo e bateria, com três guitarras e o antigo vocalista tão querido por todos os verdadeiros fãs do grupo inglês considerado a banda de heavy metal que alcançou mais sucesso em todos os tempos (o Black Sabbath ficaria em segundo).
Outra característica marcante e polêmica da banda é a sua mascote, Eddie, um simpático morto-vivo, criado pelo artista Derek Riggs e presente em todas as capas de discos e singles do Iron Maiden. Já no primeiro single, Sanctuary, Eddie matava a machadadas a primeira ministra da Inglaterra, Margareth Tatcher. Eddie participa também dos shows da banda.
DISCOGRAFIA
DEATH ON THE ROAD (2005) Live Album
DANCE OF DEATH (2003)
THE BBC ARCHIVES (2002) Eddie's Archive
BEST OF THE B'SIDES (2002) Eddie's Archive
BEAST OVER HAMMERSMITH (2002) Eddie's Archive
EDWARD THE GREAT (2002)
Best Of ROCK IN RIO (2002) Live Album
BRAVE NEW WORLD (2000)
ED HUNTER (1999) PC Game
VIRTUAL XI (1998)
BEST OF THE BEAST(1996) Best Of
THE X-FACTOR (1995)
LIVE AT DONINGTON (1993) Live Album
A REAL LIVE / DEAD ONE (1993) Live Album
FEAR OF THE DARK (1992)
NO PRAYER FOR THE DYING (1990)
7TH SON OF A 7TH SON (1988)
SOMEWHERE IN TIME (1986)
LIVE AFTER DEATH (1985) Live Album
POWERSLAVE (1984)
PIECE OF MIND (1983) THE NUMBER OF THE BEAST (1982)
KILLERS (1981)
IRON MAIDEN (1980)

Clipe: The Evil that Men Do


Clipe: Iron Maiden - Iron Maiden 83'



Site Oficial: www.ironmaiden.com

quarta-feira, agosto 23, 2006

QUEEN

HISTÓRIA
A origem do QUEEN foi a banda universitária Smile, formada em 1968 por Brian May e Tim Stafell, estudantes do Imperial College em Londres. Através de um anúncio no mural da escola pedindo um baterista tipo "Ginger Baker", os dois acabaram conhecendo Roger Taylor. Em 1969 conseguiram assinar com a Mercury Records. Nesta época Freddie era vocalista de outra banda, mas já conhecia o trabalho do Smile, que chegou a gravar algumas músicas.
Em 1970 Stafell abandonou o Smile, Brian e Roger convida Freddie, que muda o nome da banda e criam o QUEEN. Após experimentar alguns baixistas, a formação fechou com John Deacon.
Depois de uma maratona de ensaios e testes eles conseguem gravar seu primeiro álbum, o QUEEN. A partir de um acordo entre Trident e EMI, partem para sua primeira turnê, abrindo um show para a banda Mott The Hoople, e rapidamente roubaram a cena.
No lançamento seguinte - QUEEN II - em março de 1974, conseguiram ficar em quinto entre os discos mais ouvidos e a banda seguiu sua primeira turnê como atração principal. Infelizmente, Brian contraiu hepatite e a excursão teve que ser cancelada.
O Seguinte disco - Sheer Attack - foi lançado em novembro de 1974 e se tornou um sucesso mundial. A turnê mundial que se seguiu teve de ser estendida e a banda chegou a se apresentar em lugares diferentes em um mesmo dia.
E a consolidação do reconhecimento mundial chegou em 1975 com o LP - A Night At The Opera. Neste trabalho a fusão do rock com a música clássica chegou ao seu ponto mais alto com o clássico Bohemian Rhapsody.
Em Night At The Opera, o grupo ganhou o apoio da EMI-Odeon, que investiu milhões de dólares nos shows europeus e nas campanhas de difusão da banda.
O Sucesso prosseguiu nos demais trabalhos: News Of the World com We Will Rock You e We Are The Champions.
Em seguida veio a gravação ao vivo Live Killers. Todos esses discos foram gravado sem sintetizadores, que empesteavam os ouvidos do mundo no período das discotecas.
Queen entra na década de 80 usando instrumentos eletrônicos e um começo de flerte com um tipo de música mais pop.
The Game, em 1980, traz Crazy LittleThing Called Love - homenageando o estilo Elvis Presley -, Another On Bites the Dust, músicas que antecipam aquilo que viria a ser conhecido como New Wave. O próximo trabalho foi Flash Gordon que, em dezembro do mesmo ano, virou trilha sonora do filme de Dino de Laurentis baseado no personagem das histórias em quadrinhos de Alex Raymond.
Hot Space, de 1982, tinha a faixa Under Pressure, com a participação de David Bowie. Esse álbum liderou todas as paradas de discos do mundo, colocando nesta época o QUEEN dentro da categoria fenômeno, pois tinha vendido mais de 1 milhão de cópias de 8 de seus 10 discos.
O álbumThe Works, 1984, lança os hits Radio Ga Ga e I Want To Break Free, nas rádios e pela MTV, marcando a fase de maior repercussão da banda, quando a imprenssa mundial fazia questão de malhá-los em praça pública por qualquer motivo. Freddie Mercury comentou no começo da carreira a relação complicada que a imprenssa estabelecia com o Queen: " PARA A IMPRENSSA, SE NÓS FAZEMOS ROCK PESADO, ESTAMOS IMITANDO O Led Zeppelin, SE FAZEMOS MAIS DANÇANTE, ESTAMOS COPIANDOOS Beach Boys, QUEM PODE LEVAR ESSES CARAS A SÉRIO ? "
Mas independente da imprensa, o sucesso continuou com A King of Magic, trilha sonora para o filme Highlander. Depois veio Live Magic, 1986 e, com este álbum, eles revelam que a banda tinha tudo para continuar ocupando seu lugar no universso pop, apesar das críticas.
Em 1991 surge Innuendo, com a canção The Show Must Go On e nos meses seguintes, já não era mais possível esconder o estado de saúde de Freddie Mercury, que veio a falecer(INFELIZMENTE) em 24 de novembro de 1991. Na véspera ele havia declarado: " SEGUINDO AS ESPECULAÇÕES DA IMPRENSSA , QUERO AFIRMAR QUE SOU SORO POSITIVO, PORTANTO TENHO AIDS. ACHEI CORRETO MANTER ISSO EM SEGREDO, PARA MANTER MINHA POSIÇÃO E A DO MEU GRUPO. ESPERO CONTAR COM A COLABORAÇÃO DE TODOS, E QUE, MEUS MÉDICOS LUTEM CONTRA ESSA TERRÍVEL DOENÇA ". Em um último gesto ele pediu que fosse lançado um sigle com Bohemian Rhapsody e These Are The Days Of Our Lives e que os lucros fossem revertidos para entidades de combate à AIDS.
Maide in Heaven, foi lançado em 1995, com músicas inéditas da banda. Nessas faixas havia somente as partes do piano e do vocal, feitas por Freddie Mercury, onde o Queen gravou a base musical sobre esse material. Em 1997, mais uma inédita surgiu: No-one but You, gravada pelo Queen em uma homenagem a Freddie.

CURIOSIDADES

Muito antes de ser cantada por quatro jovens com Q.I de joaninha num carro, no filme Quanto mais Idiota Melhor (Wayne's World) (1992), 'Bohemian Rhapsody', do Queen, marcou uma geração inteira ao ser cantada como uma ópera cômica. Na verdade, este grande sucesso tem como tema principal um rapaz que mata um inimigo e teme ser condenado à morte. Não é por acaso que uma música do Queen é mal interpretada: o disco A Night at the Opera (1975), de onde a faixa é retirada, tem seu título inspirado em uma comédia dos célebres humoristas americanos, Irmãos Marx (A Night at the Opera, 1935).

DISCOGRAFIA

QUEEN I
QUEEN II
SHEER HEART ATTACK
A NIGHT AT THE OPERA
A DAY AT THE RACES
NEWS OF THE WORLD
JAZZ
LIVE KILLERS
THE GAME
FLASH GORDON
HOT SPACE
THE WORKS
A KIND OF MAGIC
LIVE MAGIC
THE MIRACLE
QUEEN AT THE BEEB
INNUENDO
LIVE AT WEMBLEY '86
GREATEST HITS I
THE COMPLETE WORKS
THANK GOD IT'S CHRISTMAS
GREATEST HITS II
CLASSIC QUEEN
THE QUEEN COLLECTTION
QUEEN + GREATEST HITS III
Somebody to Love

Bohemian Rhapsody (Live)


We Are The Champions

SITE OFICIAL:

segunda-feira, agosto 21, 2006

CHICAGO


BIOGRAFIA

Os Chicago são uma das bandas norte-americanas mais populares de sempre da história do rock n' roll, só perdendo quando comparados aos Beach Boys. O grupo é formado em 1967 na cidade da qual acaba por retirar o seu nome. A formação inicial incluía Walter Paraider no saxofone, Lee Loughnane no trompete, Terry Kath na guitarra e voz, Danny Seraphine na bateria, James Pankow no trombone e Robert Lamm no orgão e voz. No começo, a banda não tinha baixista, mas em Dezembro de 1967 o baixista e vocalista Peter Cetera junta-se a eles vindo da banda rival The Exceptions.

Sob a orientação no manager e produtor James William Guercio, que inicialmente tinha dado à banda o nome de Chicago Transit Authority (e que teve depois de ser reduzido por já haver uma banda com esse nome), os Chicago mudam-se para Los Angeles e assinam pela Columbia Records. Em 1969, é editado o seu álbum de estreia, "Chicago Transit Authority", que vende mais de dois milhões de cópias e coloca quatro singles nas tabelas, facto que se repetiria ao longo da sua carreira e dos álbuns seguintes, cada um deles com uma ligeira variação na capa, na qual, ao lado do logotipo da banda, era acrescentada a numeração do respectivo disco.

A música dos Chicago era uma mistura de estilos, desde o hard-rock, até à pop ligeira, incorporando elementos do jazz e música clássica. Mas depois do tema de Cetera "If You Leave Me Now" se tornar disco de ouro e chegar ao primeiro lugar dos tops em 1976, o grupo começa a compor mais baladas românticas.Após a saída de Guercio em 1977 e a morte de Kath em 1978, os Chicago entram em declínio.

Ainda assim, parecem dar alguns sinais de vida em 1982 com "Hard To Say I'm Sorry" e "Chicago 16", vendendo, este último, um milhão de cópias e conseguindo manter durante mais alguns anos a popularidade da banda, mesmo após a saída de Cetera, em 1985. Depois de vários anos de êxitos, a popularidade dos Chicago começa a declinar irreversivelmente no início da década de 90, ao mesmo tempo que o grupo se retirava para o circuito dos oldies. Ainda assim, os discos (quase todos ao vivo) sucedem-se, e em Janeiro de 2003 a banda editou o álbum duplo "Chicago Vol. VII" em edição remasterizada.

DISCOGRAFIA

1969 - Chicago Transit Authority
1970 - Chicago II
1971 - Chicago III
1971 - At Caregie Hall, Vol. 1-4 (Chicago IV) (Ao Vivo)
1972 - Chicago V
1972 - Live In Japan (Ao Vivo)
1973 - Chicago VI
1974 - Chicago VII
1975 - Chicago VIII
1976 - Chicago X
1977 - Chicago XI
1978 - Hot Streets
1978 - Chicago Transit Authory: Live In Concert (Ao Vivo)
1979 - Chicago 13
1980 - Chicago XIV
1982 - Chicago 16
1984 - Chicago 17
1984 - Toronto Rock N' Roll Revival 69 (Ao Vivo)
1986 - Chicago 18
1986 - Live Chicago
1988 - Chicago 19
1989 - Beginnings Live
1991 - Twenty 1
1993 - In Concert (Ao Vivo)
1994 - Live In Concert (Ao Vivo)
1995 - Night And Day:Big-Band
1995 - Chicago Live (Ao Vivo)
1996 - Live (Richmond) (Ao Vivo)
1997 - Great Chicago In Concert (Ao Vivo)
1998 - Chicago's First Christmas
1998 - Chicago Transit Authority: Live In Concert (Ao Vivo)
1998 - Chicago 25: The Christmas Album
1999 - I'm A Man (Ao Vivo)
1999 - Beat The Bootleggers: Live 1967 (Ao Vivo)
1999 - Chicago XXVI - The Live Album (Ao Vivo)
1999 - Live! (Ao Vivo)
1999 - Rock In Toronto (Ao Vivo)
2003 - Chicago Vol. VII

CLIPE
Clipe de um dos maiores sucessos da banda

SITE OFICIAL
www.chicagotheband.com